Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

Atuação da FISIOTERAPIA

Por: Amanda de Souza

O MÉTODO CANGURU E A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA

JUNTO À DÍADE MÃE-BEBÊ
Trabalho monográfico de conclusão do Curso de Fisioterapia (TCC), apresentado à UNIVERSIDADE CASTELO BRANDO como requisito parcial para obtenção do título Bacharel em Fisioterapia, sob a orientação da professora Rosa Donadello Maini
 
 
 

RESUMO

SOUZA, Amanda de

Através de uma revisão bibliográfica, o presente estudo questiona a função do fisioterapeuta no método canguru, relaciona a fisioterapia com o método canguru, analisa as vantagens do mesmo; pesquisa a importância do contato afetivo mãe-bebê para o desenvolvimento psico-motor, elucida a importância da atenção humanizada na UTI neonatal. Contudo, o fisioterapeuta enquanto profissional de saúde está inserido no contexto biopsicosocial, devendo ser praticante de todos os esforços no período neonatal no sentido de formar indivíduos socialmente integrados de maneira plena e promovendo acima de tudo a qualidade de vida. O método mãe canguru requer uma mudança comportamental, e o fisioterapeuta como o membro da equipe multidisciplinar que trata o paciente através do toque está habilitado a disseminar este afeto que salva vidas.

 

CONCLUSÃO

Atualmente, a fisioterapia vem ganhando espaço de destaque dentro da UTI neonatal. A indicação precisa e o tratamento precoce aliado ao critério e bom senso, trazem respostas altamente positivas.

Como atuante na equipe multiprofissional, o fisioterapeuta tem seu lugar no projeto mãe canguru: profilático e terapêutico.

O fisioterapeuta trata o paciente através do toque e pode utilizar o método canguru como recurso de sua terapêutica. Relacionando o aspecto cinético-funcional com o psico-emocional.

Porém, a participação do fisioterapeuta no projeto mãe canguru ainda é pequena logo, faz-se necessário que se realizem outras pesquisas relacionando o método canguru e a atuação da fisioterapia.

O método canguru requer uma mudança comportamental, é ter uma sensibilidade aguçada a ponto de perceber que o melhor lugar para o bebê é junto da mãe recebendo calor, aleitamento e afeto; e que a mesma não perde seu tempo em ficar em contato com seu filho 24 horas por dia, ela investe em saúde física e equilíbrio psicológico.

O contato afetivo mãe-bebê é tão importante quanto o alimento para o bebê, existem inúmeras reações físicas e psicológicas positivas que acontecem em ambos, quando esse contato é de qualidade satisfatória.

O uso de tecnologia avançada nas UTIs como incubadora, berços de calor radiante, equipamentos para assistência ventilatória, antibióticos de última geração. Contribui para uma melhora na expectativa de vida dos prematuros, porém observa-se a redução do espaço de convivência, a separação precoce, mãe-filho-família, maior tempo de internação, menor incidência de aleitamento materno. A humanização está inserida no contexto social e se dirige ao ser humano (bebê-mãe-pai) em sua inteireza.

Pois, o profissional de saúde que acompanha este ser, não é apenas um médico, não é somente um fisioterapeuta, não é exclusivamente uma enfermeira. Mas, deve manter unidas, ao mesmo tempo, todas estas competências e escutas. Trata-se de escutar cada integrante do método canguru do ponto de vista físico, mental e emocional na busca da qualidade de vida.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BERNE, r; LEVY, M. Fisiologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

BOBATH, K. Uma base neurofisiológica para o tratamento da paralisia cerebral. 2. ed. São Paulo: Manole, 1990.

BORGES, C. Fórum mãe Canguru: Papel dos profissionais – ação do fisioterapeuta. Disponível em:<www. Aleitamento.com.br/discus/index.htm.> Acesso em: 21 nov. 2003.

BRAZELTON,O. Desenvolvimento do apego uma família em formação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

CARVALHO, M. R. de. Método mãe-canguru de atenção ao prematuro. Rio de Janeiro: BNDES, 2001.

______. Mãe-canguru: prematuros no Brasil usufruem deste cuidado. Disponível em:<http://.aleitamento.med.br/normacanguru..htm>.Acesso em: 22 abr. 2003.

CHARPAK, N. O método mãe-canguru pais e familiares dos bebês prematuros podem substituir as incubadoras. Rio de Janeiro: Mc.Graw Hill; 1999.

DIRCEU, C. Fisioterapia respiratória básica. São Paulo: Atheneu, 2000.

FEITOSA, L. Humanização nos hospitais. Fortaleza: Premius, 2001.

FISIOTERAPIA & NEONATOLOGIA. Fisioterapia neonatal. Disponível em: <http://fisioneo.hpg.ig.com.br/saude/10/inde_int_9.html>.Acesso em 22 abr. 2003.

FUNDAÇÃO ORSA. Fundação Orsa. Disponível em: <www.fundacãoorsa.com.br>. Acesso em 21 nov.2003.

IOSEF, R. R. Como orientar seu filho. v1. Rio de Janeiro: F. Alves, 1988.

KISNER, C.; COLBY A. L. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas.3 ed. São Paulo: Manole, 2000.

LIMA, A. Pediatria essencial. 4 ed. São Paulo: Atheneu, 1996.

MARSHALL, K.; KENNEL, J. H. Pais/bebê a formação do apego. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

MONTAGU, A. Tocar o significado da pele. 7 ed. São Paulo: Summus, 1986.

MATHELIN, C. O sorriso da Gioconda clínica psicanalítica com os bebês prematuros. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Normas do Ministério da Saúde para o método canguru. Disponível em: <http://www.aleitamento.med.br/normacanguru..htm.> Acesso em: 22 abr. 2003.

PORTO, C. Exame clínico – bases para uma prática médica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

RANG, H. P.; DALE, M. M. Farmacologia. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1993.

ROBBINS. Patologia estrutural e funcional. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

SCALAN, C. L.; et al. Fundamentos da fisioterapia respiratória de Egan. São Paulo: Manole, 2000.

SHEPHERD, R.B. Fisioterapia em pediatria.3. ed. São Paulo: Santos,1998.

SZEJER, M. A escuta psicanalítica de bebês em maternidade. tradução Cláudia Berliner, Maria Lúcia Alzuguir Gutierrez. São Paulo: Associação brasileira para o estudo do psiquismo pré e perinatal, 1999.

THOMSON, A.;SKINNER, A.;PIERCY, J. Fisioterapia de Tidy. 12.ed. São Paulo: Santos,2001.

PROGRAMA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR. Ministério da Saúde, 2 ed. Brasília, 2002.

***********************************

Parabéns Amanda de Souza !

Prof. Marcus Renato de Carvalho

 
 


Última atualização: 20/7/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
25 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital