Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Mãe Canguru \ Criança \ Artigo

PREMATURO "mora" no SEIO Materno: Metodologia faz 30 anos!

Por: Mary Persia - Editora de Equilíbrio da Folha Online

Prematuro "mora" no

SEIO da mãe com

programa canguru,

faz 30 anos

 

MARY PERSIA
Editora de Equilíbrio da Folha Online

 

A adolescente Thamara Almeida Lira teve uma experiência inusitada dias atrás: precisou explicar à mãe o que o filho recém-nascido fazia dentro de sua blusa.

Kauã nasceu no Hospital Maternidade Interlagos (zona sul de SP) com menos de 2 kg, aos sete meses de gestação. O local, especializado em bebês e grávidas de alto risco, adota o método canguru com recém-nascidos de baixo peso. Lá, as crianças ficam sob as roupas das mães.
Mary Persia/Folha Online
   Thamara Almeida Lira realiza o método canguru com o filho, Kauã Fernando Lira
Thamara Almeida Lira realiza o método canguru com o filho, Kauã Fernando Lira

VÍDEO: Pai-canguru ajuda prematura a viver
ÁUDIO: Hospital santista é pioneiro no Brasil
ENTREVISTA: Mãe é melhor médica, diz criador

"Ele fica apenas com a cabeça de fora, sentindo o meu calor", diz Thamara. "Minha mãe achou bom, pois ele está pegando peso."

A explicação da adolescente de 16 anos à própria mãe não é fato raro. Para muitas avós, a explicação se faz necessária, uma vez que o método é política pública no Brasil há apenas nove anos --as primeiras experiências por aqui remontam a 1991, no Hospital Guilherme Álvaro, em Santos.

A METODOLOGIA começou a ser utilizada há 30 anos na Colômbia por uma equipe do Instituto Materno-Infantil de Bogotá, implantado pelo médico Héctor Martínez.

Os motivos do sucesso do método vão além dos aspectos psicológicos. "No colo, a criança fica mais calma, há a troca da flora de bactérias e de anticorpos entre mãe e filho. Melhoram a parte física, o ganho de peso, e o vínculo afetivo", diz Edinéia Vaciloto Lima, neonatologista da maternidade Pro Matre Paulista.

Peso

Se, antes, o bebê de baixo peso ficava na incubadora até atingir 2 kg, hoje ele pode ir para o colo da mãe (ou do pai) a partir de 1,250 kg. Para realizar o canguru, porém, não basta que o bebê tenha determinado peso.
Mary Persia/Folha Online
      Alessandra Maurício Pereira sai de casa cedo e passa o dia inteiro com a filha, Kethelyn Joice, que está internada na UTI neonatal
Alessandra Maurício Pereira sai de casa cedo e passa o dia inteiro com a filha, Kethelyn Joice, que está internada na UTI neonatal

"Sabemos o quanto o método é bom, mas é importante haver estabilidade clínica para evitar riscos", diz Edinéia. Por isso, há prematuros maiores que não podem deixar a incubadora, enquanto outros menores, mesmo com sonda, vão para o colo da mãe.

É o caso de Kethelyn Joice, de um mês e meio, que nasceu com 980 g e há 11 dias experimenta o colo da mãe, Alessandra Maurício Pereira, 29. As duas se encontram diariamente no hospital de Interlagos.

"Fico com ela o dia inteiro. Chego às 9h30 e só vou embora às 19h", conta a diarista, que apresentou quadro de hipertensão na gravidez levada até o sexto mês. A filha, hoje com 1,6 kg, pôde ser tocada pela mãe desde o primeiro dia de vida, mesmo na incubadora.

Para a alta da criança, a balança igualmente influencia, mas não determina a alta da criança. Para ir para casa, a amamentação faz toda a diferença. "Vimos que, se a mãe sente bem o bebê e faz amamentação exclusiva, o período de internação é abreviado", diz Daniel Caldevilla, diretor de neonatologia do Hospital Maternidade Interlagos.
Mary Persia/Folha Online
      Silvana Cândido da Silva pega o filho no colo pela primeira vez para ser mãe-canguru

Silvana Cândido da Silva pega o filho no colo pela primeira vez para ser mãe-canguru

As crianças que se alimentam somente de leite materno podem ser liberadas a partir de 1,8 kg, com retornos a cada dois dias.

 

Mais que visita

Com a abordagem humanizada que gradativamente toma conta das UTIs neonatais, as mães se tornaram mais que uma visita. Delas provêm informações que ajudam na avaliação da criança. "O profissional pega o bebê para examinar. Já a mãe vai conhecendo bem o bebê desde que ele nasce", diferencia Caldevilla.

Para favorecer esse relacionamento, as mães são incentivadas a realizar o toque e a alimentação da criança que necessita da incubadora. Procedimentos que Silvana Cândido da Silva, 34, já vinha fazendo com Eduardo, nascido há três semanas com 1,2 kg.

Pegar no colo, porém, ela ainda não podia. Até que, na última quarta-feira, experimentou o canguru pela primeira vez.

"Eu via outras mães fazendo e perguntava quando seria eu", conta Silvana. "Esperei desde a gravidez para pegá-lo no colo." A reportagem, diante da cena, percebe a hora de deixar mãe e filho, enfim, sós.

Leia mais sobre o programa canguru

    Mãe é por natureza a melhor médica, diz criador do método canguru
    ÁUDIO: Hospital santista é pioneiro do método canguru no Brasil; ouça
    VÍDEO: Pai-canguru ajuda filha prematura a viver; assista

 

*****************

As Conferências 30 anos de Mãe Canguru em São Paulo e no Rio de Janeiro

fizeram com que a Metodologia voltasse a ocupar a mídia nacional e ser divulgada com a devida importância.

Marcus Renato de Carvalho
 


Última atualização: 15/7/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital